terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Um pouco do que temos e o excesso do que nos falta.




Você não sabia dividir brinquedos?
Você tinha ciúmes de seus irmãos e irmãs mais novos?
Você se apaixonou perdidamente pela sua professora ou professor na 5° série?
Você amarrou uma toalha no pescoço, e fingiu que ela era uma capa e você um super-herói?
Você dormiu numa beliche e forrou a lateral imaginando que estava em uma cabana?
Você golpeou as plantas do quintal e do jardim de sua mãe com um cabo de vassoura, enquanto fingia que o cabo de vassoura era uma espada mágica que destruía monstros?
Você gastou tempo e uma pequena fortuna com álbuns de figurinhas que nunca ficaram completos?
Você achou que sabia tudo aos 16 anos, e resolveu desafiar seus pais e o mundo?
Você mentiu para não ir para a escola?
Você deu importância a coisas que na verdade não tinham importância alguma?

Caso tenha respondido sim para a maioria das perguntas ou todas elas, acredite você é normal.
Pelo menos normal dentro dos padrões exigidos e pregados pela sociedade.
Normal de uma forma que um dia, tomará que você não seja mais.
Normal de um jeito que só pode ser quem é diferente. 
Não falo de diferenças sociais, da cor da sua pele, de quanto você tem na carteira ou de quem é você na fila do pão.
Falo da normalidade única, diferente, coerente e individual que é você.
Existe em nossa cultura certa sede de padrões, cartilhas e passos para tudo e todos.
Existe um tamanho de bunda ideal, um tamanho de seios aceitável e corpos que precisam encaixar-se em certos moldes, de preferência com uma barriga tanquinho, e, é claro existe a busca pelo sucesso, seja lá qual for a sua denominação de sucesso.
Existem lugares frequentados por gente “Bonita”.
O as cores da moda e a moda do supérfluo.
Em algum lugar da caminhada esquecemos o quanto é maravilhoso ser único, esquecemos que temos um jeito próprio de fazer as coisas e até mesmo de fazê-las de maneira errada.
Somos frutos de uma evolução que leva tempo.
Do primeiro choro até o túmulo uma quantidade absurda de erros, defeitos, tropeços e escolhas fracassadas é o que realmente deixará de ser esboço para torna-se uma obra prima que chamamos de vida.
Essa coisa de vida pronta, receitas prontas e passo a passo que leva todos ao mesmo lugar ou as mesmas conquistas é a maior estupidez de nosso século.
Eu gosto de saber que Einstein, um dos maiores físicos que o mundo já teve não era nenhum gênio na escola.
Que Stephen Hawking, um dos mais consagrados cientistas e físico do século. Doutor em cosmologia, professor emérito na Universidade de Cambridge e escritor consagrado. Fez e foi tudo isso sentado a maior parte de sua vida em uma cadeira de rodas, se comunicando através de uma maquina.
Que Abraham Lincoln não era um advogado brilhante, mas foi um dos melhore presidentes dos Estados Unidos enquanto o país estava mergulhado numa de suas maiores crises da história.
Que a família Armstrong partiu da Escócia condenada à morte pela forca, mas foi Neil Armstrong que rumou em uma caravela com destino a América, e de lá embarcou em um ônibus espacial, e no dia 20 de julho de 1969 foi o primeiro homem a pisar na lua.
Um sujeito que fora expulso da pensão onde morava por falta de dinheiro, e viu-se forçado a morar no escritório onde trabalhava, tinha como companhia apenas os ratos que eram atraídos pelos restos de comida, porém foi com seu pensamento criativo, observador e obstinado que ele deu vida ao rato mais famoso do mundo, sua criação chamava-se Mickey Mouse e seu criador era Walt Disney.
Os homens que criaram e escreveram os rumos da história, pintaram, descobriram e inventaram, eram sábios e visionários a sua maneira, porém quando o assunto era futuro e fracasso eles sabiam o mesmo que eu e você sabemos, ou seja, nada.
Pedir opinião aos outros é como encontrar uma fila de profetas que sabem tudo sobre a vida, e mesmo que não saibam como resolverem suas próprias vidas, sabem exatamente como você deve viver a sua.
Existem debates em aberto sobre a sexualidade, sobre a cor da pele de cada um, sobre direitos e deveres.
Existem debates acirrados que acontecem atrás de uma tela de computador, e existe a comunicação olho no olho que morre a cada dia.
Homofobia, Neonazismo, Gordofobia, Feminicídio, Bullying, Amazônia, Estado Islâmico, Guerra da Síria, Refugiados, Muros entre Fronteiras e Testes Massivos de Misseis e armas nucleares.
Falta falar sobre individualidade.
Falta debater a liberdade, mas não a liberdade bonita escrita num papel e impraticada na vida real.
Falta falar sobre valores que nos definem com defeitos, diferenças e qualidades.
Falta debater a beleza de ser o que se é.
Falta debater se tanto debate é a abertura de nossas mentes para novos horizontes ou fechamento de espirito para quem é diferente de mim.
Falta perguntar se seu discurso é baseado em liberdade ou na necessidade de que todos aceitem suas verdades e valores.
Falta entender se o debate será de mentes livres ou de cérebros cristalizados.
Falta falar sobre respeito, pois se eu respeito instituições, mas não respeito pessoas eu não tenho respeito, mas apenas obediência.
Se eu respeito religiões, mas não respeito à religiosidade do outro, a minha fé é cega.
Se eu respeito partidos políticos, mas não respeito à democracia e a liberdade do outro, na verdade eu não entendo nada de política.
Se eu respeito o que é igual, mas não respeito às diferenças, na verdade eu não respeito ninguém, pois ser diferente esta na composição do individuo que chamamos de ser humano.

Paulo Joaquim. (P.J.).

sábado, 15 de dezembro de 2018

José e a Nuvem.



José apertou o botão de numero vinte e sete no painel do elevador.
Todos cumprimentavam José com respeito e admiração, não era pra menos, já que José era o dono de todo aquele lugar.
José não dizia nada, mas em segredo gostava daquela bajulação.
Sua maleta cheirava a couro legitimo, seu terno estava impecável como sempre.
Quem o observava tinha facilmente a impressão de que ele havia nascido para aquilo.
Olhar compenetrado, semblante altivo e uma postura que impunha respeito.
E assim, José caminhava para aquele que seria o seu primeiro dia naquele prédio.
Após muitos anos de trabalho, José estava ágora subindo os andares de seu sonho mais ambicioso. O edifício era lindo, as janelas tinham vidros espelhados, a recepção tinha mesas de mármore e todos os andares tinham ar condicionado e jardim de inverno.
Estava tudo pronto para receber o Senhor José, como todos o chamavam.
O café estava quente, os biscoitos servidos e meia dúzia de secretarias aguardavam as ordens do dia.
O elevador finalmente chegou ao seu destino, às portas se abrem e um José radiante vai até a sua sala. O próprio José havia elaborado o projeto para aquela sala. Era espaçosa e as vidraças eram totalmente transparentes.
- Eu quero ver o mundo aqui de cima – Dizia José.
José gostou daquilo que viu, sua mesa era de madeira de lei, quadros com temas clássicos enfeitavam as paredes, um belo carpete cobria todo o chão e um confortável sofá completava a mobília.
José observava tudo com calma, degustando cada detalhe, inspecionando cada canto e sorrindo por dentro de tanto contentamento.
Até aquele momento sua vida havia sido feita de vitórias, seus sonhos haviam se tornado realidade, seu trabalho e perseverança haviam dado frutos e aquele prédio era a maior prova disso.
Seu prédio, sua empresa e centenas de funcionários ao seu dispor. Cabia a José continuar trabalhando e aumentar o seu império.
José se aproximou das vidraças transparentes de onde podia ver o mundo, mas infelizmente naquela manhã algo saiu errado. A mãe natureza, totalmente desavisada dos planos de José, colocou nuvens enormes no céu impedindo assim que ele comtemplasse o mundo como havia planejado.
José estava sozinho em sua sala, e se perguntava como aquelas nuvens podiam ter a ousadia de estragar um dia que deveria ser perfeito.
José praguejou contra a nuvem. José sabia fazer-se obedecer, sabia conquistar o que queria, mas quanto às nuvens não havia muito que fazer a não ser esperar que elas se dissipassem e mostrassem um lindo dia ensolarado, para que assim José pudesse contemplar o mundo de seu pequeno mundo envidraçado.
Mas existem momentos na vida, que não avisam quando vão chegar, pois não estão programados não podem ser calculados ou previstos e não dependem de nuvens.
José voltava para sua mesa quando viu sobre ela algo que não tinha colocado ali.
A moldura estava gasta pelo tempo e a foto era em preto e branco, mas José podia identificar facilmente aquele rosto – Era seu pai!
José sentou-se em sua cadeira de couro e segurou aquele pequeno tesouro em suas mãos.
Seu pai era um homem de caráter e José gostaria muito que ele estivesse ali para assistir o seu sucesso, o que infelizmente não era possível, pois aquele homem admirável havia falecido assim que José sairá da Faculdade.
Aquele dia estava planejado para ser um dia de comemoração dos sucessos conquistados, mas olhando a foto de seu velho pai, José pensava apenas em tudo e todos que já havia perdido.
Lembrou-se de sua infância e da escola.
Sua família era muito simples e pobre, José ia para a escola com as roupas que eram doadas pelos amigos da família.
O pai de José era funcionário de uma grande empresa, mas era apenas um faxineiro e seu salario era o suficiente apenas para o alimento e as prestações da pequena casa onde viviam. A mãe de José costurava em uma velha maquina e com o pouco que ganhava ajudava o marido com as despesas.
José começou a trabalhar muito cedo e muito cedo aprendeu o significado da palavra dificuldade, era difícil trabalhar e estudar. Mas José tinha aquele tipo de força que move aqueles que enfrentam dificuldades, mas não aceitam serem tragados por elas.
José estudou e trabalhou muito, fazia pequenos bicos com o pai nos fins de semana e juntava algum dinheiro para a faculdade.
A comida era simples, as roupas eram simples, mas os sonhos eram enormes e como não existe nenhuma critica ou pessoa que consiga derrubar grandes sonhos, José pouco a pouco viu sua vida mudar. Seu pai com muito empenho e muita faxina, conseguiu realizar o sonho de ver José em uma faculdade.
A vida da família estava melhorando, mas uma única coisa nunca mudava, seu pai e sua mãe eram as mesmas criaturas simples de sempre, certo dia depois de conseguir um novo emprego José chegou em casa radiante disposto á levar os pais para jantar fora e comemorar a nova conquista.
Os pais de José se recusaram na mesma hora, sua mãe lhe disse que podiam comemorar ali mesmo, pois havia preparado galinhada seu prato favorito, além do mais não possuía roupas para frequentar restaurantes. O pai de José lhe disse que podia se atrapalhar com os talheres de um restaurante, mas concordava em comemorar com aquele lanche que José lhe trazia de vez em quando da rua.
José mesmo com a recusa dos pais, saiu com um sorriso no rosto para buscar o lanche do qual o pai tanto gostava. O lanche era simples, feito com tomate alface e frango, seu pai chamava de lanche da preta, pois se lembrava de que no sitio de seu falecido avô havia uma galinha com esse nome – José gargalhava com as histórias do pai.
Poucos meses após o fim da faculdade, o pai de José faleceu meses depois sua mãe foi ao encontro do esposo.
Em todos esses anos e até aquele momento, José não havia parado realmente para pensar naquilo, e foi assim que José descobriu que precisava chorar.
E chorou. Chorou lembrando-se da vergonha que sentia na infância por saber que seu pai limpava banheiros, chorou, pois se lembrou de que entre tantos funcionários não conhecia nem mesmo meia dúzia pelo nome, chorou, pois sabia que tudo que havia conquistado jamais substituiria aquilo que havia perdido – José havia perdido sua humanidade.
José chamou uma de suas secretarias e inquiriu dela quem havia colocado aquela foto em sua mesa, pois a ordem não havia partido dele.
A secretaria prometeu que descobriria isso o mais rápido possível, mas ficou preocupada em ver que o patrão tinha os olhos rasos d'água.
José chorava, pelos amigos dos quais tinha se afastado, chorava pelas pessoas que havia magoado enquanto construía seu império.
Minutos depois sua secretaria surge com uma senhora que José não reconheceu de imediato.
Dona Helena era uma adorável senhora de sessenta anos, as rugas pelo rosto deixavam transparecer uma vida difícil e pelo uniforme que vestia José não teve duvidas - Dona Helena era uma das faxineiras de seu prédio.
- Senhor José, esta é a Dona Helena nossa faxineira, ela diz que lhe conhece, diz também que foi ela quem colocou a foto em sua mesa depois que acabou de limpa-la.
José pediu para ficar á sós com aquela pequena mulher de ar assustado.
- De onde a senhora me conhece? – perguntou José.
- Depois que seu pai faleceu, sua mãe ficou muito doente o senhor tinha acabado de terminar seus estudos e não podia ficar em casa, sempre fui vizinha e amiga de sua família e o senhor me convidou para trabalhar em sua casa e cuidar de sua mãe, meses depois infelizmente ela se foi.
O senhor me disse que estava montando um pequeno escritório e me ofereceu novamente um emprego, nos últimos dezessete anos a cada novo escritório eu tenho lhe acompanhado e aqui estou.
- Passei muito tempo com sua mãe, mas conheci pouco o seu pai. Sua mãe falava dele como quem fala de um herói, me falou sobre os sonhos que ele tinha para o senhor e me falava da certeza que ele tinha de que o senhor venceria nessa vida. Foi por isso que achei que o senhor ficaria contente em vê-lo todos os dias sobre a sua mesa.
José não deixou mais a mulher falar, pois sabia que as lágrimas voltariam a qualquer momento.
Pediu para que Dona Helena ficasse na sala e chamou vários funcionários, apertou a mão de todos que chegavam e apresentou todos á Dona Helena. Deu ordem para que os móveis fossem tirados e levados para um escritório no andar térreo.
Disse para Dona Helena que não queria mais olhar o mundo de cima, iria se dedicar a olhar as pessoas.
Dona Helena não entendeu absolutamente nada, mas ficou feliz quando recebeu um abraço do patrão e desceu pelo elevador com ele e a foto de seu pai.
- Dona Helena eu preciso de dois favores – Pediu José.
- Procure, por favor, uma foto de minha mãe, pois os dois faziam um belo par e quero eles sempre aqui em minha mesa. O segundo favor e mais simples, é quase hora do almoço e eu gostaria muito de comer um daqueles lanches com alface, tomate e carne de frango, esse lanche me faz lembrar a preta, uma galinha de estimação de meu avô.
Dona Helena caiu na gargalhada, mas prometeu conseguir o lanche.
José estava na sua sala do piso térreo e olhou pela janela, o céu estava azul e as nuvens haviam se dissipado ele resolveu fazer um passeio por todas as salas de seu prédio, por onde passava recebia um olhar assustado e em troca retribuía com um sorriso nos lábios.
José estava voltando a viver, enquanto seu pai e sua mãe cheios de orgulho lhe observava de cima de sua mesa.
Existirão dias em que as nuvens vão nos impedir de ver o céu, mas podemos sempre olhar a nossa volta. E acredite, dependendo do que, e quem te cerca, pode ser uma visão maravilhosa.
Algumas nuvens em nosso céu particular podem distorcer uma verdade que precisa ser lembrada constantemente – Não importa para onde você vai, importante mesmo é como você trilha o caminho e quem estará ao seu lado durante a jornada.

Paulo Joaquim (P.J).

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

O que te completa?





Barulho de chuva no telhado, mais um sonho pra sonhar.
Um frio na barriga, coisas boas acontecendo, ver seus filhos crescendo.
Entender as coisas complicadas do universo para dar valor as mais simples.
Bocejar com gosto, afagar com beijo e dividir um desejo.
Ter mais uma chance, escrever um poema e resolver um problema.
Mudar de cabelo, assoviar estalando o dedo, andar contra o vento e esperar tudo há seu tempo.
Comer fruta madura mesmo que seja de dentadura, envelhecer com rugas, mas manter a postura.
Amar quem se ama, ou começar um amor, tomar banho de mangueira e fingir que é cachoeira.
O que te completa?
Andar por uma vida curva ou procurar uma reta? Vá a pé ou compre uma bicicleta, seja lá do jeito que for procure sua meta.
Ria alto, fale baixinho, explique com paciência, perdoe com o coração e ame com mais paixão, não critique o que não conhece, não discuta aquilo que não entende, aprenda tudo que puder e aplique quando quiser.
Seja você, ame você, concorde com você, discorde de você, dê um presente a você. Não se pergunte o quanto falta, não procure ter certeza de tudo, seja bem vindo ao verdadeiro mundo.
Acredite em Deus, preserve o bom e o belo e acredite nos seus.
Lá vem mais uma estação, dizem que tem as cores do verão.
Sair do inferno, aproveitar o inverno.
Buscamos em todos os lugares e procuramos sinais, esquecemo-nos, no entanto que é no outono que as folhas caem.
Esperamos tanto a chegada de uma nova era, que nem percebemos quando já é primavera.
O que te completa?
Tire o dia para jogar bolinha de gude, nadar no açude e bater figurinha. Faça um campeonato de cuspe a distância, dance ciranda, brinque de pega-pega e volte a sua infância.
Respire fundo, observe o mundo, dê um tempo a si mesmo. Não espere nada de ninguém, não ajude com estardalhaço, não cobre o que não merece e não espere colher o que não plantou.
Seja discreto, seja sincero, fale a verdade, ela dói. Mas os que a dizem possuem mais chances de serem perdoados e perdoarem a si mesmos.
Não escolha vinho apenas pelo rotulo, nem livro pela capa e muito menos pessoas por aparência. Respeite as deficiências e não seja tão duro com exigências.
O que te completa?
Musicas para dançar, historias para contar e memorias boas pra relembrar.
Fé na vida, fé em você mesmo e fé na caminhada.
A solidão que apascenta a alma numa tarde chuvosa com sua bebida e seu livro predileto, e a solidão em meio às multidões.
Tempo para fazer tudo, e tempo para poder simplesmente não fazer nada e descansar na beira da estrada.
Deve ser questão de tempo andar no sol esperando pelo vento.
Deve ser por conta da fase da lua que tudo fica mais belo no meio da rua.
As bailarinas com suas sapatilhas magicas, o som de um violino ao fundo e eu sorrindo por dentro aqui no meu próprio mundo.
Ouvi segredos que prefiro não dizer, vi cores que não consegui distinguir, não entendi as regras e por isso quebrei algumas.
Você que tem sonhos grandes demais e essa mente inquieta, nem sempre perguntas são necessárias e nem sempre a resposta é certa.
Vivemos um pedaço de cada vez. Na verdade são quebra cabeças que são montados para que o todo seja mostrado.
Nada é tão certo que não esteja errado, nada é tão duro que não seja quebrado, nada é tão vazio que não possa ser preenchido e nada que sobe esta livre da queda, mas o conselho é sempre o mesmo:
Dê valor a tudo que te completa.

Paulo Joaquim (P.J).

Leitores